15 de nov de 2010

História de amor

Quando eu era mais nova, eu ouvia das pessoas mais velhas as histórias dos grandes amores que tinham vivido ou presenciado e ficava imaginando como seria quando eu encontrasse o meu grande amor. Eu sabia quais qualidades ele deveria ter e por mais romântica que a minha história fosse, ela tinha que ser acima de tudo divertida.
Eu montei a pessoa perfeita, com o caráter perfeito e outras características de personalidade perfeita. E o encontrei.
Eu pensei que bastava encontrar essa pessoa e tudo estava resolvido, não haveriam problemas, nem brigas, mas não é bem assim.
Eu não pensei que haveriam “obstáculos internos”, não achei que ele teria defeitos e que até os meus desapareceriam como passe de mágica, mas eu descobri que toda hstória de amor tem obstáculos, que meus defeitos não vão sumir, nós iremos errar muito e brigar muito, mas aos poucos vamos nos ajustar um ao outro.
Sei que nada vai ser tão fácil, até porque se fosse, seria chato. Além do mais, só quando passamos por dificuldades e conseguimos superá-las é que podemos ter certeza de que existe amor, porque amar sem problemas é fácil, mas ter amor o suficiente para superar esses problemas é bem diferente. E eu tenho amor de sobra.

2 de ago de 2010

Cabine de Comando

Foram poucas as vezes em que eu entrei ali, aquele quarto sempre foi meio que proibido para as crianças e justamente por isso tinha um ar de mistério. Toda vez que o meu avô me pedia para pegar alguma coisa no quarto, era quase como ganhar um prêmio. E depois que cresci continuei sem entrar lá. A 'cabine de comando' impunha respeito. O resto da casa era toda nossa, os netos, mas aquele quarto era reservado para o nosso Capitão. E hoje, mesmo depois de um ano que o meu avô morreu, eu ainda não consigo entrar naquele quarto e o encarar como mais um aposento da casa e ainda que eu tente entrar lá com a maior naturalidade possível, toda vez que eu passo por aquela porta eu me sinto de novo como uma criança fazendo uma travessura, me sinto como nas vezes em que eu entrava lá escondido só para dar uma espiadinha no lugar onde o meu avô se escondia e logo depois saía correndo com medo de que alguém me descobrisse. Ainda me sinto assim, como se eu não tivesse o direito de estar ali e por mais que o quarto tenha outro ocupante agora, para mim ele vai sempre ser a 'cabine de comando', o quarto do meu Capitão: o meu avô!

12 de jun de 2010

Meu presente!^^

O acaso sempre me perseguiu, algumas vezes me trouxe surpresas agradáveis e outras nem tanto, mas entre todas as coisas, ele foi o melhor presente que o acaso resolveu me dar.
Quem diria que perder o ônibus seria uma coisa boa? Mas foi.

Porque esse caso do acaso casual me trouxe uma pessoa do jeitinho que eu pedi, com todas as qualidades (e outras que eu nem esperava.rs) e se tem defeito, ainda não vi.
No dia que eu o conheci o Acaso tinha acordado de bom humor e resolveu praticar a boa ação do dia comigo.(Foi a única explicação que eu achei para ter tido tanta sorte em encontrá-lo.)
Foram tantas as coincidências, que se eu fosse citar todas, o texto seria um livro, mas entre elas:

Temos o mesmo apelido
Nosso primeiro cachorro tinha o mesmo nome
Gostamos do mesmo esporte
Jogamos futebol na mesma posição
E MUITAS outras coisas...

Mas de todas as coincidência uma é especial: O Flamengo!
Foi depois que descobrimos o mesmo time em comum que tudo começou e graças aquela conversa, hoje eu brilho mais que o sol. ^^


Te amo!


16 de mai de 2010



Dez anos se passaram, o Capitão seguiu em frente, lutando bravamente contra a depressão, mudando de cidade, fazendo novos amigos, criando parceria nova com suas filhas, tentando de todas as formas continuar a vida de forma alegre e descontraída ao máximo e assim o fez, apenas deixando sempre claro que estava totalmente afastada a possibilidade de um novo relacionamento, ocupou-se principalmente de fazer com que a memória de sua Zene permanecesse constante e presente, fez mais que isso, materializou esta memória, em todas as farras, comemorações, eventos ou mesmo no dia a dia em família ela estava lá, fazendo parte de tudo e invariavelmente levando todos a largos sorrisos de lembrança das suas peculiaridades ou a emoções extremas quando se exemplificava suas atitudes humanas, altruísta, sensitiva e tantas outras, atitudes essas que se tornaram cada vez mais conhecidas através dos incansáveis relatos feitos por este que teria se revelado não só um companheiro constante amoroso e totalmente presente, mas um companheiro eterno, levando a todos a certeza de que este amor existe e estava ali, a frente de quem quisesse constatar, bastava que se sentasse numa mesa, ou em um sofá, em algum lugar onde seu Fernando estivesse e o ouvisse, simples assim, a beleza e a nitidez de uma relação Divina explodia nos seus olhos, nos seus gestos e na sua emoção ao falar dela.
Tudo o que fez durante estes últimos dez anos, o fez em parceria plena com esta lembrança, a casa nova, construída com todos os detalhes que ela gostaria, a “praça de alimentação”, espaço da casa dedicado às festividades da família feita em sua homenagem com direito a placa e musica composta por Dr Fred Diniz, o barco adquirido para descer o rio sabendo o quanto ela gostaria de estar fazendo, acompanhando a “netalhada” de perto, preocupação constante para que nada lhe fugisse ao controle para “Zene não ficar uma fera”, parceria total no dia a dia ao lidar com a funcionária ou com os estranhos que lhe batiam a porta, na auto vigilância com sua saúde e seus descontroles emocionais quando pego de surpresa por um sonho mais forte e significativo com ela, ou com uma decepção qualquer, com alguém ou alguma coisa, estão sempre juntos, essa é sua certeza prioritária.
Exatamente dez anos se passaram e eis o reencontro, o Capitão embarca em sua derradeira Nau, a do destino.
Parte deixando todos com a certeza da sua rota final, nesta ultima parada “sua Zene” o aguarda no porto e o reencontro se faz, sem sobressaltos ou inquietações referentes à próxima despedida, desta vez é para sempre, seres que fizeram por merecer a união eterna, nada ficou pendente, missão brilhantemente cumprida.
No porto da partida ficamos nós, os espectadores e coadjuvantes desta que se fez uma história de exemplo de vida e de amor completo e pleno. Nosso Capitão parte deixando-nos com mais esta dor de saudade, porém com a tranqüilidade de que está muito, muito bem e em paz ao lado do Pai maior, segurando a mão de sua saudosa alma gêmea.

Texto de: Asenath Filha (minha mãe!^^)


Já contei essa história milhares de vezes, mas nunca cheguei nem perto de conseguir colocar em palavras o quão grande era o amor deles. Minha mãe conseguiu!rs

7 de mai de 2010

Deserto

Não sei bem ao certo quando começou, mas aos poucos a saudade foi desaparecendo, as músicas deixaram de fazer sentido e meus textos já não eram mais dedicados. Desapareceu a ansiedade do encontro, o brilho no meu olhar com um simples pensamento e nem o violão me atraía mais. Aos poucos o vazio foi tomando de volta o lugar que aquele sentimento havia lhe tomado e que era seu por direito (usucapião) e quando eu me dei conta já havia desaparecido o último grão de sentimento que ainda restava.
Mas não é tão ruim, voltou a minha sensação de segurança. Pelo menos nas terras do meu deserto eu sei bem onde pisar.



6 de mai de 2010

Depois do jogo de ontem a tirinha é bem merecida!!!rs


2 de mai de 2010

"Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...
Amar! Amar! E não amar ninguém!"
(Florbela Espanca)

1 de mai de 2010

"As mais justas em toda Terra"




Há 8 meses eu completei 20 anos de idade e deixei ser Filha de Jó ativa. O plano era continuar como Membro de Maioridade ajudando as meninas no que fosse necessário, mas pelo fato de o Bethel ser em outra cidade ficou um pouco dificil pra mim e passei esses últimos meses ausente.
E hoje foi feita uma reunião com os membros do conselho. Apesar de ter sido Honorável Rainha, eu não fazia a menor idéia de como funcionava o conselho e hoje eu pude ver como eles são importantes para o Bethel, não que eu tivesse alguma dúvida disso, mas hoje eu vi na prática.


Fiquei animada com os projetos como há muito tempo eu não fico. E tenho que admitir que tô feliz por estar de volta. ^^

28 de abr de 2010

Padrão

Já conheço todos os habituais sintomas.

Me arrumo cuidadosamente, saio mais cedo de casa porque não aguento de ansiedade e quando finalmente encontro o que procuro, prendo a respiração, o coração bate mais rápido, os meus pés não conseguem ficar presos ao chão, meu anel não fica no lugar e eu não consigo parar de estalar os dedos. Aí vem a bendita frase: É ele!

Depois de um tempo eu canso dos saltos, o coração nem bate mais tão rápido assim, dou uma trégua para os meus dedos (nada de estalos), meus pés já não sentem tanta necessidade de ficar fora do chão e a respiração nem se abala. Ele não precisa fazer nada de errado, basta passar algum tempo.

Mas ainda que as emoções desapareçam, eu continuo tentando me convencer de que vai dar certo, até eu conseguir encontrar uma desculpa (totalmente ridicula!) para me justificar comigo mesma e todo o sentimento acaba ainda mais rápido do que começou.

Isso não vai mudar...

Admito, cansei dele!=/

23 de abr de 2010

( )

Me acostumei tanto a escrever sobre amores, paixões e sentimentos, que quando eu tento escrever sobre alguma coisa diferente não sai nada.
Queria contar das minhas trapalhadas, mas elas não tem mais graça; queria contar dos meus amigos, mas a gente tá sem histórias; queria até contar de amor, mas não tenho nenhum.
Mas não se preocupem, ao contrário do que parece, a minha vida não está triste, ela só está chata! Nada acontece, nada muda, é tudo igual.
Esses dias eu estava pensando em uma coisa que me desse um ânimo e cheguei a conclusão de que o que eu preciso é de um sentimento novo. Um sentimento que me tire dessa rotina, que me dê vontade de sair de casa, de ver as pessoas, que me dê um motivo pra sair da cama sem pedir que o dia acabe logo, que me devolva minha autoconfiança, que faça eu me sentir mais leve, que me dê vontade de sorrir de tudo e de nada. Quero uma coisa que me complete, ando me sentindo tão metade.

" Eu não quero tudo de uma vez, eu só tenho um simples desejo... "

Continuo esperando o realejo me trazer a sorte.

9 de abr de 2010


Parecia que o tempo tinha parado desde a última vez em que eu estive ali. Tudo estava igual.
Crianças correndo pela rua, mulheres sentadas na porta de casa conversando com as vizinhas, homens bebendo e rindo no boteco da praça, um pai olhando um filho brincar no velotrol, três pessoas jogando dominó debaixo da árvore e o rio corendo manso ao fundo.
Nada mudou.
Eu tive a sensação de que finalmente eu estava voltando para a vida real, pra minha vida real. Só ali eu consigo viver cada momento e cada detalhe.
Em Salvador é tudo muito rápido, muito misturado, é dificil perceber os pequenos detalhes do dia-a-dia, é como se eu entrasse em uma espécie de transe e me colocasse no piloto automático, eu posso ver uma mesma coisa todos os dias sem me dar conta de que ela está lá.
Quando eu voltei pra tranquilidade e simplicidade daquela cidadezinha, eu saí do piloto automático e fiquei muito satisfeita por saber que continua tudo nos seus devidos lugares. Ou pelo menos quase tudo, faltou meu avô me esperando na sala...


Acabou o fim de semana e eu tive que voltar pra casa, liguei meu piloto automático e voltei a minha velha rotina, mas guardando em mim cada pedacinho desse pequeno paraíso.

3 de abr de 2010

Em homenagem a páscoa


Eu tinha escrito um texto ontem pra postar aqui mas, dadas as circunstâncias, acho que ele pode ficar pra amanhã ou depois!!!rs



Um texto de Luis Fernando Verissimo:



 - Papai, o que é Páscoa?
- Ora, Páscoa é... bem..... é uma festa religiosa!

- Igual ao Natal?
- É parecido. Só que no Natal comemora-se o nascimento de Jesus, e na Páscoa, se não me engano, comemora-se a sua ressureição.
- Ressurreição?
- É, ressurreição.. Marta , vem cá !
- Sim?
- Explica pra esse garoto o que é ressurreição pra eu poder ler o meu   jornal.
- Bom, meu filho, ressurreição é tornar a viver após ter morrido. Foi
o   que aconteceu com Jesus, três dias depois de ter sido crucificado.
Ele ressuscitou e subiu aos céus. Entendeu ?
- Mais ou menos... Mamãe, Jesus era um coelho?
- O que é isso menino?
Não me fale uma bobagem dessas! Coelho! Jesus Cristo é o Papai do Céu! 
Nem parece que esse menino foi batizado! Jorge, esse menino não pode
crescer desse jeito, sem ir numa missa pelo  menos aos domingos.  Até
parece que não lhe demos uma educação cristã! Já pensou se ele solta
uma besteira dessas na escola? Deus me perdoe!  Amanhã mesmo vou
matricular esse moleque no catecismo!
- Mamãe, mas o Papai do Céu não é Deus ?
- É filho, Jesus e Deus são a mesma coisa. Você vai estudar isso no
catecismo. É a Trindade. Deus é Pai, Filho e Espírito Santo.
- O Espírito Santo também é Deus?
- É sim.
- E Minas Gerais?
- Sacrilégio!!!
- É por isso que a ilha de Trindade fica perto do Espírito Santo?
- Não é o Estado do Espírito Santo que compõe a Trindade, meu filho, é
o Espírito Santo de Deus. É um negócio meio complicado, nem a mamãe
entende direito. Mas se você perguntar no catecismo a professora
explica tudinho!
- Bom, se Jesus não é um coelho, quem é o coelho da Páscoa ?
- Eu sei lá ! É uma tradição. É igual a Papai Noel, só que ao invés de
presente ele traz ovinhos.
- Coelho bota ovo ?
- Chega ! Deixa eu ir fazer o almoço que eu ganho mais !
- Papai, não era melhor que fosse galinha da Páscoa ?
- Era... era melhor,sim.... ou então urubu.
- Papai, Jesus nasceu no dia 25 de dezembro, né ?
- Que dia ele morreu ?
- Isso eu sei: na Sexta-feira Santa.
- Que dia e que mês?
- (???) Sabe que eu nunca pensei nisso ? Eu só aprendi que ele morreu na
Sexta-feira Santa e ressuscitou três dias depois, no Sábado de Aleluia.
- Um dia depois!
- Não três dias depois.
- Então morreu na Quarta-feira.
- Não, morreu na Sexta-feira Santa... ou terá sido na Quarta-feira de
Cinzas? Ah, garoto, vê se não me confunde!
Morreu na Sexta mesmo e ressuscitou no sábado, três dias depois! Como? Pergunte à sua professora de catecismo!
- Papai, porque amarraram um monte de bonecos de pano lá na rua?
- É que hoje é Sabado de Aleluia, e o pessoal vai fazer a malhação do
Judas. Judas foi o apóstolo que traiu Jesus.
- O Judas traiu Jesus no Sábado ?
- Claro que não ! Se Jesus morreu na Sexta !!!
- Então por que eles não malham o Judas no dia certo ?
- Ui...
- Papai, qual era o sobrenome de Jesus?
- Cristo. Jesus Cristo.
- Só ?
- Que eu saiba sim, por quê?
- Não sei não, mas tenho um palpite de que o nome dele era Jesus Cristo
Coelho. Só assim esse negócio de coelho da Páscoa faz sentido, não
acha?
- Ai coitada!
- Coitada de quem?
- Da sua professora de catecismo!



                                                Feliz Páscoa para todos! ^^

14 de mar de 2010

Borboletas

Dessa vez não era um sonho, ele realmente estava lá. Ela esperava que o coração dele estivesse partido, mas foi o seu que se partiu em tantos pedaços que ficou quase impossivel reconstruir, queria que ele sentisse alguma coisa por ela, mas era ela que estava cega pela confusão de sentimentos, queria que ele a tomasse em seus braços e ao mesmo tempo queria que ele fosse embora, que ele sumisse e desse um tempo para que ela o esquecesse. Estava completamente confusa. Até ele começar  a falar.
Quando ele contou o que tinha feito nos ultimos tempos, quando viu no que ele havia se tornado, deu vontade de rir. Era melhor do que nos seus sonhos. Ele estava bem diferente, ele estava igual a todos os outros, estava comum. Quando notou isso ela sorriu, sorriu um riso de libertação. Enfim o encanto acabou.

Inquieta, tonta e encantada...         não mais!

8 de fev de 2010

Realejo

Nunca tinha pensado que ele fosse reaparecer, não daquele jeito. Já fazia muito tempo e não pensei que ainda sentiria alguma coisa quando o reencontrasse, mas por mais que o tempo tenha passado, parecia que nada tinha mudado, a vontade de ver, de ficar perto... 
Estava certa de que conseguiria passar uma tarde com ele e controlar todas aquelas emoções, mas a atração que sentia era muito mais forte e mesmo que continuasse tentando sabia que se ele talvez arriscasse um beijo eu não teria forças o suficiente pra recuar, queria tanto quanto ele e quando finalmente aconteceu, quando ele tocou de leve os meus lábios, eu retribui o que foi o beijo mais doce que já senti.
Depois daquele beijo eu esqueci do possível arrependimento e do motivo pelo qual eu não o tinha beijado antes, eu sabia que estava exatamente onde eu queria estar e com quem eu queria estar, só queria aproveitar cada minuto com ele do meu lado e foi o que eu fiz. Porque assim quando um de nós dois resolver sumir de novo eu não vou ter nada para me arrepender.

Será que a sorte virá num realejo?

1 de fev de 2010

V

Passei muito tempo repetindo pra mim aquela mesma história, tomei coragem e contei a primeira pessoa, a mais confiável, porque se tudo desse errado eu podia desmentir. Assim que terminei de contar eu vi que seria incapaz de repetir pra mais alguém. Era mentira! Eu não cansei dele, eu não quero só ser amiga, eu quero abraçar e não soltar nunca mais, eu quero ele perto, quero ele preso, quero ele meu.
Já li e reli todos  os textos do blog e os melhores ainda são os que eu escrevi pra ele, são os mais bonitos, os mais sinceros, os meus preferidos.
As vezes eu até queria ter coragem de desistir, mas quando penso em ficar sem os abraços, sem os beijos, sem aquele olhar que eu tanto gosto, quando penso em tudo isso resolvo deixar o fim pra depois...


pelo menos por enquanto.

27 de jan de 2010



Hoje eu descobri que apesar de o mar aqui ser mais frio e mais salgado, ele é o melhor porque nele eu tenho sempre ela segurando a minha mão.

17 de jan de 2010

IV

Pra quem tinha ido dormir muito tarde aquela não era a melhor hora pra acordar, mas levantou mesmo assim. Ainda era cedo e por isso ficou um tempo deitada conversando com as amigas, não queria que o tempo passasse, estava nervosa e com um pouco de medo de encontra-lo de novo, mas ao mesmo tempo não via a hora de ter ele por perto outra vez. Saiu de casa atrasada e ainda um pouco relutante, aquela era o tipo de coisa que ela sempre condenou, era uma situação que ela disse que jamais se colocaria e ali estava ela, indo encontrar com ele sem se preocupar com as consequências.
Quando o chamou sua voz ainda estava um pouco trêmula, mas quando ele apareceu, toda dúvida desapareceu, era com ele que ela queria estar. Não precisava de mais nada, só por ter ele do seu lado já bastava, mas a manhã seria ainda melhor do que ela esperava. Foi diferente de tudo que ela tinha sentido nos últimos meses, tinha violão, livros, algumas besteiras que os fazia rir e quando ele estava nos seus braços ela só queria que o tempo parasse. Ele era melhor do que ela tinha imaginado, o tempo parecia passar muito mais rápido quando estavam juntos, mas cada minuto valia a pena, ele sabia como fazer valer.
Voltou pra casa pensando em cada detalhe daquela manhã deliciosa, não queria esquecer nada e não esqueceu. Ainda que se queira não tem como esquecer as coisas que te fazem bem e aquela manhã, bom, foi a melhor de todas.


Sim, eu me apaixonei por você!

14 de jan de 2010

São anos de amizade e anos de brigas também, algumas mais intensas e outras que a gente esquece dois minutos depois. Perdi as contas de quantas vezes eu disse "cansei", "agora já chega", "eu nunca mais quero te ver" ou "suma da minha vida", mas no fim você nunca sumia, nunca nos cansamos de verdade, a gente não tem um limite, vamos brigar sempre e nos perdoar sempre. Não é que a gente não dê certo ou que nunca se ajeite, o nosso jeito é assim e isso não vai mudar.
Passei muito tempo achando que ia mudar você ou que eu ia mudar um pouquinho pra fazer isso dá certo, mas nenhuma das opções vai acontecer. Você vai continuar me fazendo perder o controle e gritar com você, eu vou sempre te irritar o suficiente pra me dizer coisas que me magoam e no fim vamos fazer as pazes e ter um breve momento de trégua.
É complicado, como você mesmo diz, as vezes saem faíscas quando a gente se encontra, tem horas que quero te matar ou só arrancar alguns dentes com um soco (e sei que é reciproco), mas no fim a gente sempre acaba em algum lugar com a galera, um violão e muitas risadas. No final sempre dá tudo certo e que continue assim...


E até o próximo round! =D

5 de jan de 2010


Foram quase 12 horas de viagem, sendo que metade dela foi por uma estrada horrorosa, cheia de buracos, vazia e de noite. Mas que no final, valeu a pena.
Valeu a pena ver as meninas que eu não via há tanto tempo, valeu a pena salvar a tartaruga marinha, pedir um presente a Yemanjá na virada do ano e ela me presentear dias depois, valeu a pena o banho de piscina, sentir o cheiro diferente que aquele lugar tem, a água do mar quente e quase salobra, a companhia da virada do ano e ter todas elas do meu lado, todas juntas, todas de uma só vez.
Nos últimos dias eu senti como se tudo fosse eterno, como se aquilo tudo não pudesse acabar nunca, como se nós quatro pudéssemos ficar juntas pra sempre, mas quando eu vi o avião partir e por fim, eu própria ter que pegar a estrada, o sonho foi se desmontando e ficou em mim o gostinho de saudade. Por mais que vocês não estejam do meu lado hoje, eu sei que estamos juntas sempre.


E um FELIZ 2010 pra todo mundo!^^


Amo tanto vocês!!!