31 de mai de 2012

Platonicidade

Eu me senti bem pequenininha. Já tinha pensado que poderia ser difícil, mas nunca imaginei que poderia ser impossível. Depois de muito pensar e planejar, tudo chegou ao fim antes mesmo de começar. Cheguei a imaginar inúmeras vezes como tudo aconteceria e agora eu descobri que simplesmente não pode acontecer. Fiquei pensando em como seria encontrar ele de novo depois disso, mas nada mudou. Aquele olhar  ainda me deixa nervosa, me faz gaguejar e falar um monte de besteira. Aquele sorriso me deixa tonta e eu nunca sei o que fazer com as mãos. As palavras saem meio atropeladas, eu perco o equilíbrio, ele me segura e ri. Ah, se ele soubesse que o simples toque de suas mãos me faz tremer. O coração bate descompassado e a respiração fica acelerada. A gente conversa, ri, mas eu nunca olho nos seus olhos. É como se eu tivesse voltado aos  meus treze anos e estivesse vivendo de novo aqueles amores platônicos. Mas talvez isso não seja tão ruim.