7 de mai de 2010

Deserto

Não sei bem ao certo quando começou, mas aos poucos a saudade foi desaparecendo, as músicas deixaram de fazer sentido e meus textos já não eram mais dedicados. Desapareceu a ansiedade do encontro, o brilho no meu olhar com um simples pensamento e nem o violão me atraía mais. Aos poucos o vazio foi tomando de volta o lugar que aquele sentimento havia lhe tomado e que era seu por direito (usucapião) e quando eu me dei conta já havia desaparecido o último grão de sentimento que ainda restava.
Mas não é tão ruim, voltou a minha sensação de segurança. Pelo menos nas terras do meu deserto eu sei bem onde pisar.



5 comentários:

Antonoly disse...

Gostei do texto, bem escrito e descritivo.

Moraes disse...

Esse deserto eu bem conheço. sempre resurge uma semana depois de uma forte chuva. tão familiar

Rα i sα ~ disse...

...isso até que chegue o próximo vento.

Acaso da Silva disse...

por mais que venha a sensação de segurança, não é típico dos homens gostarem dessa sensação e a busca por novas terras é quase que instintiva ;)

O Acaso manda lembranças... e ande pela sombra :D

Larissa Alves disse...

parabéns pelo texto,muito bom :
"pelo menos nas terras do meu deserto eu sei bem onde pisar." principalmente essa parte :)