11 de mai de 2009

Dia das mães...

Véspera do dia das mães, chuva, frio e um engarrafamento horroroso. Assim que entrei no ônibus, vi que seria impossível chegar na rodoviária a tempo, o ogunjá estava simplesmente parado. Respirei fundo e me preparei pra passar muito tempo presa
no engarrafamento, até que o motorista grita

- Tem alguém pra o ogunjá?
- Nãããão

Ele mudou a rota e não passamos pelo ogunja, quase não acreditei, a gente chegou rapidinho onde eu precisava.
Pronto, primeira etapa vencida.
Depois fui no iguatemi comprar o presente de minha mãe. Lotado! Depois de me esquivar dos (vários) compradores, finalmente entrei na loja e consegui, por fim, falar com uma das vendedoras, falei o que eu queria, paguei e sai. Segunda etapa vencida.
Sai do shopping e atravessei a passarela, depois de me esbarrar em praticamente todos os transeuntes, pegar zilhões de panfletos e fugir dos vendedores, consegui chegar na rodoviária. Terceira etapa vencida.
Pronto, tinha chegado a hora enfrentar a fila da compra da passagem. Entrei na fila 12:10 e consegui minha passagem as 13:20, saí correndo, comprei um sundae e entrei no ônibus (que constatei ser com ar condicionado. Droga!). Agora era só relaxar e curtir a viagem. Pelo menos era o que eu achava. Quarta etapa vencida.
Poucos minutos antes do ônibus sair, entrou um homem e sentou do meu lado. Perguntou o meu nome, se apresentou e encostou na poltrona, peguei meu livro e continuei lendo até o ônibus sair. Alguns minutos depois, como sempre acontece comigo, o homem começou a conversar, perguntou de onde eu era, o que eu fazia e disse que era mágico. Pronto, foi o suficiente pra eu ter, durante a viagem, um show de mágica exclusivo. Fez váárias coisas desaparecerem, a carteira dele pegou fogo, meu dinheiro foi rasgado e voltou pra minha mão intacto e um monte de coisas do tipo. Eu tinha adorado no inicio, mas a essa altura eu já não agüentava mais nenhuma mágica, só queria chegar em casa, tomar um banho e relaxar.Finalmente o ônibus chega em cruz, aproveitei pra falar com o motorista que eu saltaria antes da rodoviária de Santo Antonio, ele faz uma cara carrancuda, resmunga alguma coisa e bate a porta na minha cara. Oh homem agreste! Voltei pra minha poltrona e esperei pacientemente até chegar no tal lugar, de repente a porta lá na frente abre e o motorista grita alguma coisa, pego minhas coisas e vou lá pra frente, ele me pergunta se sou eu que vou saltar antes e mais uma vez bate a porta na minha cara. Já tava ficando chato isso. Quando ele abre a porta de novo e finalmente me deixa sair do ônibus. Respirei fundo e fiquei muito feliz de ter me livrado do motorista e do mágico.
Atravessei a pista e me perguntei onde diabos eu estava. Andei um pouquinho e encontrei o carro de minha mãe estacionado, o que queria dizer que eu estava perto de casa, ligue pra minha mãe e meu padrasto apareceu na porta. Ufa! Quinta etapa vencida.
Quando entrei em casa, minha mãe estava dormindo, deixei minhas coisas no quarto e fiquei feliz em saber que pelo menos aquela noite eu teria uma cama e um quarto só meu. Um pouco depois minha mãe acordou, me deu um abraço bem forte e tuuudo passou, depois peguei o presente e entreguei a ela, eu não aguentaria esperar até o dia seguinte.rs
E só em ver aquele sorriso e a felicidade estampada em seu rosto, já valeu todas as penas. Me deu um abraço bem forte, agradeceu e disse que agora tinha uma filha rica, disse várias vezes o quanto tinha gostado do presente e eu fiquei feliz.
De noite resolvemos sair pra fazer um passeio, afinal, eu nem conhecia a cidade. Me mostraram tudo e finalmente resolvemos parar no shopping, sentamos, comemos pizza, churrasquinho e fizemos nossa “farrinha de cerveja”, não dá nem pra explicar o tamanho da minha alegria. Quando cheguei em casa, eu estava completamente cansada e só queria minha cama.
No dia seguinte, tivemos um almoço delicioso, especialmente preparado por meu padrasto e passamos a tarde arrumando o blog dela. Depois de uma ajuda especial de Rike, o blog ficou perfeito e minha mãe extremamente satisfeita. Olhei o relógio e vi que estava quase na hora de ir embora. Droga, tava tudo tão bom. Arrumei minhas coisas, me despedi longamente da minha mãe e Zuza me levou na rodoviária. Comprei a passagem, dei um abraço nele e entrei no ônibus (com ar condicionado!¬¬`) torcendo pra não ir ao lado de um acrobata ou palhaço. Felizmente minha companheira do lado era uma menina muito educada que dormiu a viagem inteira.
Quando cheguei em Salvador, o transito e os rostos emburrados a minha volta me fizeram voltar a realidade. Meu fim de semana perfeito tinha acabado e já era hora de voltar a velha rotina de todos os dias. Mas sem dúvida, tudo valeu muito a pena.

Mãe, obrigada por tudo!
Feliz dia das mães e eu te amo muito!

3 comentários:

Asenath disse...

Sou doidinha por vc criatura!!!!!rsrsrsrs...
Te amo muuuuuuuuuito,tenho que descobrir um jeito de descrever o exagero do meu gostar!!!kkkkk...
bjbjbjbjbb....

Dii Bijou disse...

Adorei amigah... bm divertio seu fds... o meu foi quase isso..rsrs
mas senti sua falat....precisamos nos ver urgente! xD

Dan Souza disse...

Te amo beeeeeeeeeeeeeeeem mais, mãe!!!!rsrs

E Dii...
precisamos no ver urgente![02]