22 de nov de 2009

Sobre caminhos e voltas II

Eram oito horas da noite quando decidi viajar, arrumei minhas coisas e às onze eu já estava pegando a estrada. Foi muito melhor do que qualquer coisa que eu poderia imaginar, mas o fim de semana chegou ao fim e mais uma vez tive que pegar o caminho de volta.
Quando cheguei em casa era noite e caía uma chuva fina e fria, senti falta dos seus pés quentes tocando os meus, da sua mão segurando a minha, do seu abraço protetor durante o sono, do jeito como me puxa mais pra perto me fazendo esquecer do escuro lá fora, de acordar do seu lado e guardar na memória cada pedacinho do seu corpo, sinto falta das conversas sussuradas no ouvido, do seu cheiro, do seu colo, da sua voz doce e da expectativa de te encontrar em toda esquina.
Mais uma semana está começando e junto com ela a velha contagem regressiva. E eu fico aqui, tendo a saudade como companheira, até o dia em que eu possa de novo encontrar o calor das suas mãos.


Eu só aceito a condição de ter você só pra mim
Eu sei não é assim, mas deixa eu fingir e rir.'

Um comentário:

Mim disse...

Ah! Como eu queria pegar uma estrada e seguir sem retornar! - Tudo que você sentiu ao voltar, eu já tive e hoje não tenho mais. Gostei do seu blog, dos seus textos, enfim...
Nem contagem regressiva faço mais! Cansei.
Abraços!